/* ]]> */
  • Alameda Jaú, 1754 - 09º andar | Jardim Paulista, São Paulo - SP, 01420-006 | Telefone: + 55 (11) 3995-8160

COVID-19 e home office: 7 dicas de adaptação

COVID-19 e home office 7 dicas de adaptacao

COVID-19 e home office: 7 dicas de adaptação

COVID-19 e home office: 7 dicas de adaptação 1920 1080 Marcio Takeuchi

Dia após dia o Brasil encara um crescimento dos casos confirmados pelo novo coronavírus (COVID-19), e as principais recomendações de especialistas têm sido que evitemos as aglomerações. Esta orientação levou muitas empresas a liberarem seus colaboradores para fazerem home office.

A nível mundial, os impactos dessa pandemia afetaram não apenas a economia, assim como a sociedade em geral. Quanto ao mercado corporativo e de startups, confira algumas dicas de como sua equipe pode se adaptar ao trabalho remoto.

Contexto atual do Coronavírus (COVID-19)

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o COVID-19 é uma doença infectuosa descoberta em 2019, da família Coronavírus (CoV) – uma longa cadeia de vírus que causa doenças como resfriados comuns ou doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) ou a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS).

Os principais sinais de infecção incluem:

  • Problemas respiratórios;
  • Febre;
  • Tosse;
  • Dores de garganta;
  • Dificuldades para deglutir (processo de passagem de alimentos da boca para o estômago).

A doença já apresenta o status de pandemia (epidemia amplamente disseminada) e seus impactos são perceptíveis em aspectos econômicos e sociais.

Você pode acompanhar todos os detalhes quanto a evolução da doença e seu combate em no site da Organização Mundial da Saúde (OMS) e na Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (IVIS).

Até a publicação deste artigo, ainda não há uma cura para o COVID-19, tampouco uma vacina para prevenção. Por isso, o principal o grande fator de preocupação hoje quanto ao vírus é a sua alta taxa de transmissão.

Recomendações do ministério da saúde

Embora com uma baixa taxa de mortalidade, a capacidade de contágio do vírus é alta, em especial, em cenários de grande conglomeração social. 

Estão entre os grupos mais vulneráveis e suscetíveis a contaminação:

  • Idosos;
  • Diabéticos;
  • Hipertensos;
  • Pessoas com insuficiência renal crônica;
  • Quem possui doença respiratória crônica;
  • Por fim, os que possuem doença cardiovascular.

Diante de todas as informações que possuímos, sabemos que a melhor forma de evitar a contração do vírus é evitar o contato social. Mas, o que mais é recomendado para cuidar da saúde?

  • Higienize suas mãos. Lave com sabonete e, sempre que possível, utilize álcool em gel. Mas lembre-se: o álcool em gel cria uma película antisséptica sobre a pela, mas não substitui a efetividade de se lavar as mãos;
  • Evite cumprimentar as pessoas com abrações, beijos e apertos de mão;
  • Ao tossir ou espirrar, sempre cubra com o a boca e o nariz com o lado interno do cotovelo. Se possível, utilize um lenço descartável;
  • Busque não realizar viagens, nacionais ou internacionais;
  • Evite tocar os olhos, nariz e boca com mãos não lavadas.

Estas são apenas algumas das recomendações práticas do Ministério da Saúde para a prevenção contra o vírus. Além desses detalhes, e em função da incapacidade dos sistemas de saúde de lidar com um gigantesco número de pessoas doentes que precisarem de atendimento, o Ministério da Saúde reforça que o principal componente para retardar a contaminação é nos isolarmos. 

Trabalho remoto e dicas para home office

Com o crescimento dos casos confirmados do Coronavírus (COVID-19) no Brasil, que temos acompanhado nos últimos dias, uma das principais recomendações tem sido evitar locais com grande concentração de pessoas. Em função disso, muitas empresas têm aderido a métodos de trabalho à distância, home office. Esta é uma ação prudente e que contribui ativamente na mitigação de maiores consequências sociais e econômicas.

Hoje, no cenário brasileiro, é comum que startups já estejam habituadas às rotinas de trabalho remoto. Muitas vezes essas empresas já nascem com esse valor. Construindo um parque de máquinas e infraestrutura pronta para este cenário. Além, é claro, de terem profissionais habituados a lidar com este modelo de trabalho. 

Para empresas que já possuem essa cultura, é comum se organizarem em rotinas que, por exemplo, permitam o alinhamento de tarefas recorrentes, uma comunicação mais efetiva entre outros aspectos. Todavia, esse é um cenário novo para muitas empresas.

Confira algumas dicas para adaptação:

1. Busque uma rápida adaptação tecnológica 

Diante das necessidades criadas pelo formato de trabalho remoto, é importante que haja uma rápida adequação tecnológica das ferramentas oferecidas aos funcionários e clientes. Questionamentos como “É viável a realização de atividades em casa?” ou até mesmo “Os colaboradores possuem todos os componentes necessários para uma rotina de home office?” devem ser mapeados e mitigados pelos gestores. 

2. Comunicação é tudo

Determine uma estratégia de comunicação clara e que atenda não apenas seus colaboradores com eficiência, mas também seus clientes. Canais únicos geralmente simplificam a gestão de comunicação. Priorize chamadas de vídeo, ou ligações telefônicas

3. Liderança deve estar presente

Os líderes precisam esclarecer o ritmo da operação remota. Combinem rotinas, prazos, e canais para acompanhamento na resolução de dúvidas.

4. Mantenha a rotina normal

Mesmo em casa, é importante buscar uma rotina próxima da que se teria ao estar no escritório. Evite o dia do pijama, fuja do sofá ou da cama, e respeite seus horários. Não trabalhe em demasia, não abra mão do horário de almoço ou dos momentos de descanso.

5. Cuide da qualidade de vida

Reserve momentos de pausa para o trabalho em casa. O dia trabalhado em casa pode ser o ambiente ideal para o foco. Afinal, não possui as dinâmicas orgânicas de um escritório. Contudo, tenha momentos para beber água, fazer um lanche e esticar o corpo.

6. Tenha paciência 

Todos os processos de mudança exigem adaptação e esforço para lidar com os desafios que surgem. Compartilhe as experiências e converse com colegas e gestores. Iniciativas como a de um happy hour online, por exemplo, podem contribuir para uma adaptação mais leve.

7. Conte com ferramentas para gestão de ponto

Algumas empresas já contam com softwares de gestão de ponto com possibilidade de gestão online. E estes contribuem para um controle adequado das horas trabalhadas pelos colaboradores. Fugir da rotina pode causar esquecimentos, por isso, programe horários no despertador do smartphone.

A Bluke somente utiliza cookies essenciais a navegabilidade do site, para melhorar a sua experiência com nossos canais e serviços, inexistindo quaisquer coletas de dados adicionais. Ao utilizar nossos serviços e canais, você concorda com a coleta exposta. Para saber mais informações confira nossa Política de Privacidade.